Casa Espírita

Conduta da Casa Espírita

Conduta da Casa Espírita


• Buscam o aprimoramento íntimo de seus frequentadores;


• Promovem o estudo da Doutrina Espírita no seu tríplice aspecto: científico, filosófico e religioso, consubstanciada na Codificação Kardequiana e Evangelho de Jesus;


• Zelam para que as atividades exercidas sejam gratuitas e vedada qualquer espécie de remuneração;


• Jamais angariam donativos, nas reuniões doutrinárias, por meio de coletas, peditórios, venda de tômbolas ou quaisquer outros produtos;


• Evitam enfeites excessivos, jogos de luz e rejeitam o uso, pelos colaboradores, de paramentos e uniformes;


• Desaprovam o emprego de rituais, imagens ou símbolos de qualquer natureza nas sessões;


• Não permitem a conservação de retratos, quadros, legendas ou quaisquer objetos que possam ser tidos na conta de apetrechos para ritual;


• Repelem cerimônias que, em nome da Doutrina, visem à consagração de esponsais ou nascimentos e outras práticas estranhas à Doutrina, tais como velórios e encomendações, colações de grau etc.;


• Impedem a comunicação de enfermos espirituais e a realização de sessões mediúnicas públicas, que só deveram ocorrer em reuniões privativas destinadas a esse fim;


• Não permitem nas suas dependências ataques ou censuras a outras religiões;


• Não aceitam palestras e discussões de ordem política nas suas instituições doutrinárias;


• Têm como prioridade o serviço de evangelização, porque entendem que evangelizar, instruir e guiar são tarefas urgentes, essenciais, basilares, na construção do mundo de regeneração;


• Repelem acordos políticos que, com o empenho da consciência individual, pretextem defender os princípios doutrinários ou aliciar prestígio social para a Doutrina, em troca de votos ou solidariedade a partidos e candidatos;


• Não permitem o uso do fumo, álcool e demais compostos químicos nas suas dependências;


• Encaram os socorros materiais como decorrência natural do serviço espiritual, prioritário, imediato, e não como preferenciais;


• Têm a assistência social como valiosa, no entanto, precatam-se contra os excessos, a fim de que a exaustão com os labores externos não exaura as forças do entusiasmo nem derrube as fortalezas da fé, ao peso da extenuação e do desencanto nos serviços de fora;


• Mantêm por foco primacial o espírito, o ser em sua realidade imortal, donde procedem todas as conjunturas e situações;


• Preservam a todo o custo a pureza e a simplicidade das práticas da Doutrina Espírita.

BIBLIOGRAFIA: FRANCO, Divaldo (Manoel Philomeno de Miranda). Tramas do Destino.

"Nascer, morrer, renascer ainda e progredir sempre, tal é a lei." Allan Kardec